O motor DGEN é o menor turbofan no mundo: ele é destinado a aviões bimotores da categoria PLJ (Light Jet Pessoal) para 4-5 pessoas, voando a uma altitude inferior a 25.000 pés e a uma velocidade máxima 250 nós.

O motor DGEN foi totalmente desenvolvido e testado pela equipe de engenheiros da PRICE INDUCTION. Ele é reconhecido internacionalmente como uma tecnologia muito bem dominada e como um sucesso tecnológico.

A tecnologia do DGEN

O motor DGEN é um turbofan moderno com alta taxa de bypass: apresenta grandes inovações como o fan com redutor e um conceito “todo-elétrico”. O motor DGEN é compacto, leve e é totalmente controlado por um FADEC (Full-Authority Digital Engine Control).

O motor DGEN é otimizado para uma altitude de vôo de 10.000 pés e uma velocidade de Mach 0,35 com um teto de vôo de 25.000 pés. O motor DGEN possui uma concepção robusta, fácil de integrar e de fácil manutenção. Ele tem um baixo consumo de combustível e baixo nível de ruído. O sistema de controle do motor, bem como os equipamentos de circuito de óleo e de combustível são totalmente integrados ao motor.

A família de motores DGEN é destinada a aviões da clase de PLJ de 4-5 lugares com um peso máximo de decolagem entre 1650 e 2150 Kg. O motor DGEN 380 é o primeiro motor da família DGEN com um empuxo de 255daN. O motor DGEN 390 é a segunda versão do motor, mais potente, com um empuxo de até 330daN. Os motores DGEN380 e DGEN390 possuem cerca de 90% de componentes em comum.

No coração do DGEN

O motor DGEN tem uma arquitetura moderna e inovadora com corpo duplo e fluxo duplo e com uma alta taxa de diluição (bypass) de 7,6. O redutor razão 3,32 conecta o eixo de baixa pressão com o fan e contribui para a redução de ruído e para a compacidade do motor.

O conceito “todo-elétrico” permite controlar através do FADEC as bombas elétricas de óleo e combustível. Um starter generator é integrado ao eixo de alta pressão e permite a partida eletrica do motor antes de passar para o modo de geração. Com esta tecnologia altamente inovadora, o peso do motor é muito reduzido, a manutenção é simplificada e o controle dos motores pelo piloto se torna mais fácil. Este conceito também permite um controle contínuo das condições do motor e, portanto, aumenta a segurança geral de operação.

Equipamentos e Materiais

Os equipamentos de combustível do motor DGEN 380 são projetados para funcionar com querosene Jet A1 para um consumo específico de 0,78kg de combustível por kg de empuxo por hora no ponto de design. Os motores DGEN são lubrificados e refrigerados pelo óleo em um circuito fechado, incluindo o reservatório de óleo, trocadores de calor óleo-combustível e ar-óleo, um filtro e uma bomba de quatro estágios.

O motor DGEN utiliza materiais modernos, com especificações técnicas de alto desempenho alcançando assim o melhor compromisso entre a redução de peso e os requisitos estruturais e operacionais: fan e carenagem de alumínio, casca de escape em materiais compostos, compressor de titânio e peças quentes de liga de níquel.

Os Personal Light Jets – PLJ

O motor DGEN permite o aparecimento de aeronaves do tipo Personal Light Jets (PLJ). Este tipo de avião é concebido para 4-6 pessoas a bordo, com um peso máximo estrutural de decolagem de 2.500 kg. Estas aeronaves são destinadas a pilotos privados que querem cobrir uma distância de 800 a 1100 Nm evoluindo no envelope de voo da Aviação Geral (abaixo de 25 mil pés), com um alto nível de desempenho. As aplicações típicas são viagens privadas (lazer), táxi aéreo e treinamento de voo.

Os PLJ representam um nicho de mercado que combina as vantagens de aviões de motor a pistão pelo seu baixo custo e acessibilidade, com as vantagens de jatos executivos em termos de segurança, desempenho e conforto de voo.

Os PLJ representam um investimento verdadeiramente acessível para pilotos privados ou para as pequenas e médias empresas. O nível de manutenção e o consumo reduzido de combustivel Jet A1 fazem com que os custos operacionais de funcionamento sejam significativamente mais baixos do que o dos jatos executivos aeronaves convencionais.

A configuração bimotor permite o máximo de segurança em caso de falha de um motor. Os motores DGEN serão instalados nas “nacelles” traseiras com a entrada de ar localizada aproximadamente no centro do bordo de fuga da asa. Esta configuração reduz o risco de ingestão e permite livrar a fuselagem de qualquer sistema mecânico complexo. É, entao, possível isolar o cockpit e fornecer uma capacidade de resistência à colisão maior do que a média atual.

Combinando um nível de ruído bem controlado com uma curta distância de decolagem e pouso, os PLJs serão bem adaptados a todos os aeroportos usados para a aviação geral, ao contrário dos Very Light Jets (VLJ) e outros business jets.